Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

As minhas evasões...

Hoje, durante a hora de almoço, enquanto me dirigia para o local aonde ia degustar essa refeição, sintonizava a Antena2, no carro, e, a determinada altura, ouvi este espectacular "medley" de excertos de valsas de Strauss...

Levantei o som, acelerei mais um pouco,... e, imaginei-me em Viena, num daqueles salões incriveis, daqueles palácios igualmente incríveis, a fruir uma tarde de cultura e bom astral, na companhia de alguém de jeito, que me soubesse compreender e acompanhar nos meus gostos.

Quando cheguei ao restaurante falei nisto que aqui vos conto, e, tal era o meu empolgamento, ainda, que nem me apetecia comer.

- Chamaram-me de "urbana utópica"!...

Eu fiz de conta que não liguei nem ouvi a provocação e encomendei para mim, peixe grelhado...

Enfim, momentos de evasão, perfeitos, e ao alcance de quem por aqui passar, hoje neste fim de tarde.

Há que sonhar e cultivar as utopias.

- Sem estas duas coisas, maiores, e somente ao alcance do Ser Humano, somos iguais aos outros todos, que andam por aí, neste Mundo!...

publicado por mcm às 18:17
link do post | comentar | favorito

Nunca conversávamos sobre nós...

Tu, que tanto falavas e gostavas de conversar - sobre generalidades - odiavas conversas, de índole pessoal.

- E assim vivemos, quase dez anos, sem nunca termos tido uma abordagem, franca, sobre o estado da nossa relação, que, se foi transformando, para pior, e deu em ruptura, total, no fim.

Sempre que eu te sugeria, que deveriamos falar, sobre as coisas que eram desconfortáveis, entre ambos; e inibiam o nosso bom viver - tu mostravas-te irritado e sempre dizias com ar de tolerância, enfadada:

- "Venho ou não venho, sempre, para o pé de ti?! Então é sinal de que me sinto bem."

E davas o assunto por terminado, sem te preocupares se eu me sentia bem; por que motivo queria conversar sobre nós; quais os meus desconfortos na relação; se me davas motivos para me sentir feliz; se eu ainda queria estar contigo; se o tempo nos corria de feição!...

E assim, e de vez em vez, de conversa sempre adiada, me fui afastando de ti e fechando, cada vez mais, em mim.

- Fui ficando ensimesmada; fui ficando retraída na tua presença; comecei a não gostar da tua proximidade; do teu corpo; do teu sexo; do teu cheiro; da tua pessoa, por perto de mim...Comecei a não sentir amor, por ti; comecei a rejeitar-te.

Um dia, quando já não suportava, mais, tanta coisa cá dentro, explodi e falei-te - tudo - o que me apoquentava; me destruía a alma; me afastava de ti, sem apêlo nem alternativa.

Foi surpreendente a tua reacção!

Sem um laivo de descontrolo, ou de alteração, no rosto, levantáste-te e perguntáste-me, olhando-me com olhos mandões:

- "Era isto, o que me querias dizer, há tanto tempo? Pronto! Já disseste. Agora podes passar adiante, e seres uma mulher, como deve ser: normal!"

Fiquei tão desconcertada, nesse momento, que não consegui responder-te - nada de nada.

O tempo foi passando; as coisas foram piorando; inevitavelmente, separámo-nos, daí a quatro meses.

Ainda hoje penso nesse teu bloqueio, para conversas intimistas.

Seria cobardia tua? Seria insensibilidade machista?...

- Não sei!

Nunca conversávamos sobre nós! Tantos anos de conversas gerais, e de, nem uma, fundamental!

sinto-me: a dizer coisas...
publicado por mcm às 10:29
link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Setembro de 2010

Amo, absolutamente!

Eu não preciso de muita coisa para ser feliz!

- Não ligo a dinheiro; não ligo a bens imóveis; não tenho especial prazer em ostentar possidência. Enervam-me os deslumbrados da «posse».

Sou, no entanto, e por momentos, muito feliz, com pequenas, grandes, coisas...

-  Quando ouço uma boa melodia; se vejo um grande bailarino, a expressar a sua Arte, em cima de um palco; se leio um belo trecho literário;  se recebo palavras amáveis e sinceras; se alguém me diz um singelo "obrigado"; se alguém me dá um beijo, afectuoso; se um amigo me telefona a saber de mim, sem mais nada!...

Nestas horas, quando alguma coisa destas me acontece, sinto-me feliz; rica; afortunada; cheia de teres e haveres, que me acariciam a alma.

Este vídeo reúne nele todos os motivos que eu invoco para a felicidade que procuro.

Quem sabe, algum dos meus visitantes, aqui, hoje e neste fim de Domingo, tem, também, a mesma ideia que eu, de felicidade?!...

- Dá uma espreitadela e verás que ficas muito extasiado e cheio, de elevação, na tua alma!

Sê exigente com os teus gostos.

Espreita o vídeo e vê como é um momento belo e poderoso.

sinto-me: de passagem...
publicado por mcm às 18:24
link do post | comentar | favorito

... fantasias dos dias "sim"...

Tínhamos dias "sim"; dias "talvez"; e tivemos montes, montanhas, cordilheiras de dias "não".

Nos nossos dias "sim" eu era uma rainha, e, tu, sempre me perguntavas que papel te estava destinado, desempenhares, nessa nossa fantasia partilhada...

Então eu levava-te para a cama, e, nuns desses dias  dizia-te:

- Hoje és o meu escravo!

E tu eras, realmente, «o» meu escravo, ali, de serviço; ao dispor; e satisfazendo todos os meus caprichos; com a sabedoria dos "bons escravos" que amam as suas "senhoras donas" e não querem perder o "cargo" e muito menos o "emprego"!...

Noutras das vezes, desses dias "sim," eu destinava-te o papel de "meu Rei"! E tu reinavas amplamente.

- Punhas e dispunhas; ditavas sentenças; davas recompensas; sentavas-me contigo à "mesa," do  teu banquete, e banqueteávamo-nos juntos...

E eram só iguarias o que me servias e davas!

Nos nossos dias "sim" tudo tinha a dose de fantasia que lhe queríamos e sabíamos imprimir.

- Eu era uma verdadeira Rainha, e, tu, um perfeito Escravo; ou um Rei: generoso, déspota, magnânimo, guerreiro, culto, bonacheirão,...

Até o sexo era mais saboroso, mais guloso, porque menos clássico e  menos rotineiro.

Ficávamos horas nisso e no fim íamos para a cozinha e fazíamos uma refeição frugal e voltávamos a ser, somente, duas pessoas comuns; que viviam juntas; comiam juntas; partilhavam o mesmo espaço...

- Uns perfeitos "monos"; que ninguém imaginaria serem capazes de fazer umas tropelias, atrás da porta do quarto, quando lhes apetecia.

Sem dúvida alguma que, a nossa vida boa, conjunta, passou toda pelos dias "sim".

Depois os sonhos e as evasões caducaram. O nosso "contrato" também.

sinto-me: a fantasiar...
publicado por mcm às 12:56
link do post | comentar | favorito
Sábado, 4 de Setembro de 2010

"Esquina de rua"...

Eu gosto de fado!

- Alguns tipos de fado; e alguns bons fadistas.

Hoje deixo aqui, para os visitantes deste meu blog, um fado muito bem cantado, por Camané - uma das nossas melhores vozes fadistas.

Quando estou muito alegre, ou, pelo contrário, muito triste, adoro ouvir uma fado, bem pesado, e ficar assim, depois, muito triste ou mais triste ainda, do que já estava antes... Quase como uma oração que instila sofrimento - muito sofrimento, muita vontade de sofrer...

Neste momento não é esse o caso.

Foi uma escolha, simplesmente, para vós.

Uma noite boa e sem tristezas é o que desejo para todos.

Cheia de evasões e sem nuvens negras no horizonte...

sinto-me:
publicado por mcm às 19:18
link do post | comentar | favorito

Éras um grande actor...

Tínhamos tudo para sermos felizes!

Éramos ainda jovens; éramos ambos livres; éramos economicamente independentes; éramos académica e socialmente compatíveis; éramos ambos, um pouco, loucos...

Foi belo o nosso encontro e percurso de vida, um com o outro, durante alguns anos.

Divertíamo-nos imenso; conversávamos horas a fio; adorávamos cinema; amávamos, com paixão, pintura; poesia; literatura...

Quando tirávamos para sermos felizes, dávamos tudo o que tínhamos, para que isso fosse uma realidade para ambos!

E era "uma coisa estonteante," a nossa boa vida feliz.

Fazíamos o melhor sexo que imaginar se possa; repetidas vezes; ficávamos a imaginar as outras, que se seguiriam, quando exaustos tínhamos que dormir, ou parar; dançávamos horas seguidas; bebíamos uns copos; fumávamos alguns cigarros, embora nem tu nem eu fossemos fumadores habituais; e éramos uns desbragados, a rir e a fazer tontarias, próprias de quem está em sintonia absoluta. 

- Vivíamos enlevados e plenamente realizados. As coisas corriam-nos bem!

Mas, num dia frio e de Inverno, sem querer, encontrei-te de mão dada, com outra, caminhando numa rua -  de que quero esquecer o nome e o lugar!...

Sei que não me viste.

Até hoje, penso eu, te perguntarás que "bicho me mordeu," para que tivesse feito um tremendo blackout, aos teus contactos, todos, durante um tempo, longo, enquanto tentáste falar comigo...

Não te quis dar a hipótese de te justificares; e não quis humilhar-me, numa conversa que não queria ter... Que não valia a pena ter.

Já lá vão uns anos, e agora, neste exacto instante, ainda sinto uma enorme raiva pela tua imagem - caminhando de mão dada, como se fosses o homem mais livre e feliz do mundo, com outra, que não eu!

Enfim! A melhor resposta que dei, a mim própria, nessa altura - de tantas dúvidas e tanta indignação sobre ti - foi a de que eras, de certeza, um muito bom actor! Oscarizado.

- Desempenhavas o papel de traidor, com imensa convicção e arte, genial!

Em que "universidade"terás feito tal doutoramento?...

Sabes bem que eu sempre me evadi  e salvei, pelo humor!

sinto-me: a amar a dança ...
publicado por mcm às 12:59
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Setembro de 2010

É a vida...

Eu amo boas músicas e boas letras e boas vozes - a cantarem para mim.

Hoje que se leu a sentença do "Caso Casa Pia," eu regozijo por que, embora ainda não tendo transitado em julgado, o "caso" tenha tido culpados e penas factuais de prisão, e de indemnizações, às vitimas.

-  Na altura eram crianças aos cuidados de uma Instituição Pública, logo, crianças que eram, ou deviam ser protegidas e "cuidadas" por todos nós. Mas eram abusadas sexualmente.

Vamos agora assistir a um rol de recursos e de tudo mais, aquilo, que estamos acostumados, quando os culpados têm dinheiro; fama; e querem ganhar tempo a seu favor...E vão até descredibilizar, ainda mais, a Justiça! È o que lhes dá jeito...

Eu não sei se esta foi a "melhor sentença"; se foi a melhor justiça que se podia ter feito! Nem sei se estavam sentados, todos, os que hoje deviam estar, no banco dos réus. Mas uma coisa é certa:

- Havia crianças abusadas. Agora há pedófilos com rosto.

Aqui deixo uma canção que tem um nome sugestivo:

- "That´s life!"

Há coisas que, de tão abjectas, não devem ter qualquer espécie de perdão.

A sua condenação efectiva serve de contenção e desincentivo, aos, eventuais, futuros abusadores criminais.

publicado por mcm às 18:19
link do post | comentar | favorito

Sobre os teus abusos...

Recordo hoje, de como eras uma abusador!

Eras abusador porque, a determinada altura, deixaste de me respeitares. È certo que não me batias nem me maltratavas - fisicamente falando...

- Temos que ser sérios naquilo que dizemos! Mas, insisto que eras um abusador...

Eras abusador quando nunca cumprias, uma única promessa, das muitas que fazias; eras abusador quando mentias, por quase tudo; eras um abusador quando te punhas a falar ao TLM, afastado de mim, para eu te não ouvir, a mentires a outras; eras um abusador quando vinhas jantar e me deixavas sozinha, depois e logo a seguir, a lavar a loiça e arrumar; eras um abusador quando fingias ainda sentir amor por mim; eras um abusador quando fingias que dormias, para não fazeres sexo comigo; eras uma abusador quando ficavas na net, até de madrugada, em chats de engate; eras um abusador quando te "desfazias" em gentilezas, com as outras mulheres, na minha frente; eras um abusador quando não me apresentavas aos teus amigos, sistematicamente; eras um abusador quando te fechavas num motismo aterrador; eras um abusador quando eu te ligava e tu não atendias, durante horas a fio, e sem qualquer motivo plausível; eras um abusador quando te elegias a "vitima" do mundo e solicitavas todas as atenções, que não merecias, mas exigias; eras um abusador!...

A lista vai grande e muito, mais, haveria a dizer para  te retratar!

Com vês e ficas assim, desta maneira, a saber, não é preciso bater em ninguém, para maltratar esse alguém. Há coisas que doem muito mais, que bofetadas. Há coisas bem mais duras, que maus tratos físicos.

- As coisas que maltratam a nossa Alma, essas são dores que não se desfazem com analgésicos. Ficam dores crónicas.

Ainda assim, ainda bem, para ti, que nunca ousaste bater-me em sentido literal. Não sei o que faria contigo!

- Mas isso não te iliba, só por si, e te transforma num homem doce e confiável.

Havia momentos em que eras extremamente violento. Tinhas atitudes e acções de uma violência brutal - de violência psicológica - que me destruíam e me atiravam para o "balde do lixo"!

- O "teu" lixo! Era assim que me fazias sentir!...

Só espero que te emendes. Para teu bem; e para o bem daqueles ou daquelas, que, desprevenidos, te possam cair por perto.

Eu já não corro esse risco! O tempo afastou-nos; e ainda bem.

sinto-me: a dizer coisas...
publicado por mcm às 11:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 2 de Setembro de 2010

Loucura saudável...

Hoje em dia não sei se o pessoal jovem aguentaria esta pedalada do Rock "á séria"!...

É um ritmo contagiante e que obriga a uma certa contenção: nos apelos desordeiros,... e ao  verdadeiro soltar dos corpos na entrega à dança, frenética, que o ritmo exige e a que é quase impossível fugir-se...

Chuck Berry e John Lennon, juntos e ao vivo, a darem música aos presentes e ausentes... por todos os séculos e séculos que hão-de vir.

- Dois "loucos" saudáveis, que deixaram um imenso legado aos fãs, que, tal como eu, claro, rejubilam e agradecem.

sinto-me: bem.
publicado por mcm às 18:31
link do post | comentar | favorito

Eu, feliz como um passarito livre...

Hoje que o Verão cai a pique, recordo os dias em que  cheios de calor; amor; vontade de sermos felizes e muito amantes, andávamos por aí, nesse mundo belo e acolhedor, à procura de coisas que nos dessem prazer e que nos acolhessem a vontade louca, de felicidade, que tínhamos e sentíamos dentro de nós.

Lembro-me, perfeitamente, daquele dia já distante, em que fomos até ao Alqueva:

- Tudo despojado de árvores; tudo seco; tudo deserto; tudo à espera da água bendita que haveria de chegar, mais tarde - e encher por completo aqueles quilómetros e quilómetros de terras, nuas e a submergir por elas...

Eu, feliz como um passarito livre, apanhei pedras como recordação; tu, apreciador de grandes obras de engenharia, estavas deslumbrado, com toda a imponência daquele "trabalho," que visitámos em pormenor!

Comemos por lá; andámos por lá; dormimos por la; fizemos sexo por lá; amámo-nos muito; regressámos ao outro dia,  da parte da tarde...

Já voltei ao Alqueva, mais algumas vezes! Tudo está diferente e mais belo ainda...

- No entanto, nós já não nos amamos; já não vivemos a nossa tórrida paixão; e, o momento de beleza especial, que aconteceu, só connosco, naquele dia, não se repetirá.

A vida é assim mesmo:

- Feita de momentos especiais, belos, únicos e irrepetíveis.

Ninguém consegue ser igual a ninguém! Logo, o que vivemos com uma certa pessoa, é sempre diferente, daquilo que, em iguais circunstâncias, possamos viver, com uma outra...

- Ainda bem! Porque tudo se renova; a vida acontece; e tudo vai deixando saudades, à medida que o tempo vai passando...

O Tempo tem destas coisas:

- Torna bom o que foi mau; torna único o que foi bom; torna tudo suportável.

sinto-me: a divagar...
publicado por mcm às 10:35
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

A última valsa...

Aqui está um cantor romântico que já fez sonhar muita gente!

Engelbert Humperdinck fez um enorme sucesso, por alturas da década de setenta;  e, não havia menina ou menino, que se prezasse, que não tivesse um disco, deste senhor, na sua estante... para depois alardear a sua posse, aos amigos.

Esta canção e algumas outras, dele, recordam-me sonhos antigos, que eram sonhados ao som de " Last Waltz" ou de "Release me," etc.

Para os visitantes deste meu blog eu deixo um momento de evasão...

- Imaginem-se a valsar, nos braços de uma princesa ou de um príncipe; e imaginem que são felizes para sempre - como acontece nas histórias a condizer.

Sonhar, hoje em dia, é obrigatório. - Todo o resto que nos rodeia, pode ser e é, realmente, muito caustico e inibidor do sonhar.

- Quase uma "ditadura," do nosso concreto e esquizofrénico dia a dia.

Há que manter a tradição da evasão,... nem que seja só por um breve instante.

A realidade tem o resto do tempo.

sinto-me: mt apressada...
publicado por mcm às 18:41
link do post | comentar | favorito

...inapta para sexo, love e homens...

Hoje não falarei de nós os dois, porque não quero.

Hoje falarei de mim, contigo, depois de me tornar naquilo que hoje sou:

- Uma pessoa tristonha; enfadonha; desconfiada; incompetente para os afectos; inapta para sexo,love e homens.

Foi nisto que deu o amar-te sem reservas.

- No fim fiquei exausta e exaurida, de tudo o que de bom havia na minha essência interior. Sou um glaciar que não se desfaz em água que corre... e leva vida aonde quer que chegue...

Quero, mas não consigo, seguir em frente, em direcção a outros amores.

- Não porque não acredite no Amor! Sim, porque não sinto coragem para começar tudo de novo, outra vez. O Amor é um incomensural trabalho, a que não me disponho encetar, nem por um instante!

Assim sendo, e porque hoje não quero falar de ti nem de mim - juntos - falarei do "destroço" que restou do meu «Eu», depois de nós:

- Esta mulher que não se dá, porque não sente coragem para se entregar a mais ninguém.

Hoje em dia, as pessoas que se abordam de mim, não passam além do patamar, do " só sexo e amizade"...

Foi nisto que resultou o amar-te tanto; sem restrições; sem reservas: nem mentais, nem físicas, nem afectivas!

- A ti dei tudo! Agora estou sem nada, de jeito, para mais ninguém que precise do meu amor - sincero e despojado, como era o que te dei.

Hoje é assim que as coisas de passam...

- Ámanha não sei o que será a minha vida!

Gosto, no entanto, de não me sentir «presa» a nenhum homem. É uma boa sensação de liberdade espiritual.

A minha actualidade é muito livre e em serenidade total. E a liberdade é muito viciante; e a serenidade muito bem vinda!

Hoje habito o centro de uma rotunda: posso "sair" em qualquer direcção que escolha.

sinto-me: a dar palpites...
publicado por mcm às 10:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Eu...

.pesquisar

 

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Primeiras chuvas de Outon...

. Outono!

. Primavera!

. Hoje

. O circo

. Diz-se ...

. Destralhar ?

. Que triste!

. Mais um Natal!

. E aquele Blatter ?! ...

.arquivos

. Outubro 2016

. Setembro 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Agosto 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.tags

. todas as tags

.Subscrever feeds

.links

.favoritos

. VIAGEM A PARIS E (DE GRAÇ...

. Diário de Rita... o beijo...

. «O diário de Rita»...home...

. «O diário de Rita»...

. O meu Blog Original...

. Boa Páscoa...

. Surpresa pela negativa!